19/02/2017

Casa inteligente vale a pena? Veja prós e contras da Internet das Coisas


 

 

Isabela Giantomaso
por Isabela Giantomaso
 
 

 

 

 

A Internet das Coisas (Internet of Things) ainda não faz parte dos conceitos mais populares no Brasil, mas já é realidade em aparelhos de fabricantes conhecidas, como a LG. A tecnologia une o mundo digital ao mundo real e permite conectar itens do dia a dia ao Wi-Fi para economizar tempo e controlar tarefas diárias. Entretanto, os gadgets feitos para tornar uma casa smart têm fatores a serem considerados e podem gerar perda de privacidade, por exemplo.

 

 

Antes de investir em uma panela inteligente ou um espelho que reconhece sua agenda, confira quatro prós e quatro contras sobre os dispositivos baseados na Internet das Coisas. Os oito pontos positivos e negativos podem ajudar a decidir se vale a pena começar a construir sua casa conectada.

 

 

Pensando em montar uma casa smart? Veja prós e contras da tecnologia (Foto: Divulgação/SmartLock)
 
Pensando em montar uma casa smart? Veja prós e contras da tecnologia (Foto: Divulgação/SmartLock)
 
 
 

Prós

 

1) Gerencia tarefas

 

Um dos principais diferenciais dos gadgets baseados em Internet das Coisas é a possibilidade de conectar aparelhos comuns como geladeiras, lâmpadas e panelas ao Wi-Fi para facilitar a administração de obrigações do cotidiano. O espelho smart, por exemplo, mostra lembretes da agenda e notificações de redes sociais quando ativado.

 

 

2) Todos têm acesso aos dados

 

Em uma casa inteligente a conexão pode ser geral, ou seja, com todos os smartphones e tablets de cada morador acompanhando o funcionamento dos aparelhos da mesma forma. Assim, configurações permitem notificar todos sobre uma mudança na configuração de uma lâmpada smart sem precisar detalhar por mensagens.

 

 

Espelho smart notifica compromissos da agenda (Foto: Divulgação)
 
Espelho smart notifica compromissos da agenda (Foto: Divulgação)
 
 
 

3) Conforto

 

Com a Internet das Coisas a rotina do usuário pode ficar mais confortável e conveniente. Alguns aparelhos permitem, por exemplo, trancar portas via Wi-Fi, apagar as luzes, programar o aquecimento de uma panela e até mesmo conferir quantas calorias foram consumidas no dia com simples comandos de voz ou toques no smartphone.

 

 

4) Prevê necessidades 

 

Outro ponto positivo da Internet das Coisas que faz valer a pena construir uma casa smart é o ensinamento de comandos diários para os sistemas inteligentes. Assistentes podem, por exemplo, aprender costumes, como perguntar todas as manhãs qual a previsão do tempo e quais as principais notícias do dia.

 

Ao longo do uso o gadget passa a informar automaticamente as informações. Além disso, se a tecnologia for aplicada a uma geladeira é possível também ficar sabendo quais produtos estão faltando na sua casa quando for ao mercado, sem precisar checar um por um. 

 

 

Panela pode ser controlada via celular para esquentar comida antes do jantar (Foto: Divulgação/Crock Pot)
 
Panela pode ser controlada via celular para esquentar comida antes do jantar (Foto: Divulgação/Crock Pot)
 
 
 

Contras

 

 

1) Preço

 

O conceito da Internet das Coisas está chegando aos poucos no Brasil e, por isso, montar uma casa inteligente com os aparelhos adequados pode significar um investimento caro. Kits básicos de gadgets costumam custar cerca de US$ 1 mil (mais de R$ 3 mil) dependendo do tamanho da residência que será equipada. Entretanto, para quem quer começar aos poucos há dispositivos revelados no Kickstarter e Indiegogo por até R$ 800 para instalar no quarto ou na sala.

 

2) Idioma

 

Assim como já citado, os produtos baseados na Internet das Coisas ainda estão chegando ao país, portanto poucos oferecem configuração e interface em português. Para quem não domina outros idiomas, principalmente o inglês, o ponto negativo pode atrapalhar. Além disso, muitos aparelhos funcionam com comando de voz e precisam que o usuário saiba falar a língua.

 

 

Grandes marcas como a LG já oferecem produtos para Internet das Coisas (Foto: Fabricio Vitorino/TechTudo)
 
Grandes marcas como a LG já oferecem produtos para Internet das Coisas (Foto: Fabricio Vitorino/TechTudo)
 
 
 

3) Vulnerabilidade

 

Os gadgets projetados pensando na tecnologia da Internet das Coisas, como o próprio nome já diz, funcionam via Internet e, assim como em celulares e tablets, eles também estão suscetíveis a ataques hackers. Neste ponto vale ressaltar que uma residência conectada costuma ter fechaduras e iluminação controladas, o que pode tornar a ameaça ainda mais perigosa por conta do controle de dados da casa e da perda de privacidade.

 

 

Objetos para casa smart também são vulneráveis a ataques (Foto: Divulgação/Ring)
 
Objetos para casa smart também são vulneráveis a ataques (Foto: Divulgação/Ring)
 
 
 

4) Dependente de conexão

 

Sem Internet não existe Internet das Coisas. Caso o morador de uma casa smart tenha problemas com o Wi-Fi ou a conexão fique fora do ar os objetos passam a funcionar apenas com o propósito básico, como uma panela tradicional ou um simples controle remoto. Mas como provavelmente essa não é a ideia de quem faz o investimento, os locais onde ficarão as instalações e a instabilidade da Internet na região devem ser levadas em consideração.

 

 

 

 

Veja Mais Notícias sobre Ciência & Tecnologia 
 
Aproveite e "Curta" o site da nossa Querida Vila Formosa
 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: http://www.techtudo.com.br/